Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Deu-me para isto

Boa vida, Livros, Moda e Beleza, Música, parvoices

A entrevista de emprego mais útil da minha vida

Na área onde estou a trabalhar, Tecnologias de Informação, é muito comum sermos contactados para entrevistas de emprego. É um mercado que mexe muito e há sempre oportunidades.

Ontem fui a uma entrevista de emprego, completamente diferente do que fiz até hoje.

Para começar, fui entrevistada por pessoas que nem são da minha área: comunicação social e psicologia. Nada relacionado com tecnologias de informação.  

Começamos a entrevista ao contrário: a pessoa com formação em psicologia apresentou-se não só termos profissionais como em termos pessoais. O que fez, como é, defeitos e qualidades.

Eu só me perguntava "o que é que eu tenho a ver com isto. Não estou minimamente interessada nisto".

Assim que me disse que era psicólogo, eu fiquei logo mais nervosa. A ideia que eu tenho de psicólogos é que nós ainda não falamos e já sabem tudo sobre nós.

Depois, foi a minha vez. Comecei a falar do meu percurso em termos de formação e depois em termos profissionais. Normalmente, é isto que interessa.

Interromperam-me algures no meio da minha descrição do percurso profissional, e fizeram-me questões mais relacionadas com competência sociais e relacionais.

Ao longo da nossa conversa, percebi que o meu percurso profissional não era o mais importante; o que importava efectivamente eram as competências sociais e relacionais. A experiência estava descrita no currículo; a minha forma de ser não.

Queriam saber como lidava com as pessoas, com situações. Efectivamente, o meu currículo ficou de certa forma "esquecido". A conversa durou 40 minutos.

No final disseram o seguinte: "Nós gostar de dar feedback às pessoas sobre as entrevistas"

Eu pensei "Estes ao menos dão feedback sobre se o processo de recrutamento avançou ou não". Wrong!

O que eles fizeram foi dar-me o feedback que tiveram sobre mim naqueles 40 minutos de conversa. Deram-me a leitura que fizeram de mim e do que falei naqueles 40 minutos.

Nunca tal me tinha acontecido. 

Fiquei bastante satisfeita, é sempre bom ter uma leitura exterior de nós próprios.

O que eles disseram não vou partilhar convosco mas mesmo que não avance no processo, já tirei grandes lições desta entrevista.

Egoismo?

Na universidade, tínhamos o que chamávamos de sala de estudo, que era normalmente um espaço onde se faziam os trabalhos de grupo (alguns leitores já devem identificar a universidade).

Desde muito cedo que ganhei o hábito de ouvir música enquanto estudava/trabalhava. Tinha uns phones pretos e malta costuma utilizar quando eu não estava a utilizar.

Até aqui tudo bem, se um dia um dos phones não tivesse aparecido avariado. Nestas coisas, não encontramos culpado.

Para substituir, comprei uns phones cor-de-rosa e duraram muito tempo. #ficaadica

Contei esta história só para contextualizar.

Um dia cheguei à minha secretária, e diz um colega "Estou a utilizar o teu carregador de telemóvel". Não tive problema nenhum, até ao dia em que ficou com ele. Quando me devolveu, fez confusão e quase que me dava um carregador do chinês e o meu é original. A partir daí, guardo sempre o carregador na mala quando não o estou a utilizar.

Costumo ter um pacote de bolachas crackers em cima da minha mesa. Nós temos um armário, mas tem chave e eu não gosto de andar a pedir a chave para poder comer.

Ontem um colega diz-me "Tirei-te umas bolachas ontem". E eu respondi que podia tirar, afinal não se recusa comida a ninguém. Ele aproveitou para tirar mais duas ou três.

Olhei para o pacote com olhos de ver e vi que afinal já faltavam bastantes bolachas. Vou deixar de ter aqui o pacote; uma coisa é tirar duas ou três, outra coisa é tirar um terço do pacote.

 

Ajudem-me a ficar esclarecida: é egoísmo da minha parte?

 

Miudas, façam-me um favor

Se querem chegar ao verão com um corpinho Danone, não comecem a ir ao ginásio em Março. Comecem a ir o ano todo.

Assim, a malta que costuma lá andar, já prevê mais ou menos se vai ter espaço ou não para trocar a roupa.

 

Ontem cheguei ao ginásio e estava um multidão no balneário feminino. Nem espaço tinha para dar um peido, quanto mais para trocar de roupa. 

 

Desculpem a linguagem mas fiquei mesmo zangada.

Um dia, duas faltas de educação

Situação 1 - A cadeira

Casal senta-se numa mesa na zona de restauração de um espaço comercial.

Assim que o casal se senta, uma mulher nos seus 60/70 anos retira uma das cadeiras sem dizer nada. Nem "posso?", "está ocupada?", "Com licença?"

 

Situação 2 - As bananas

Casal vai à frutaria da rua comprar as frutas e vegetais.

Ela estava a pôr bananas num saco ao mesmo tempo que lhe pergunta se chega ou não para a semana toda. Assim que se despacham com as bananas, ouvem o seguinte duma mulher nos seus 40/50 anos: "JÁ ESTÁ?!" (as letras maiúsculas são propositadas).

Casal responde muito educadamente: "Desculpe, mas não estamos na fila". Parece que o casal estava, sem querer, a empatar a fila para a caixa.

 

E vocês questionam o porquê de pôr a idade das mulheres (se calhar, nem reparam). Bom, nós somos ensinados a respeitar os mais velhos, mas a boa-educação cabe em todo o lado.

 

Se o saber não ocupa lugar, a idade muito menos. 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Gosto disto

visitas

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D