Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Deu-me para isto

Boa vida, Livros, Moda e Beleza, Música, parvoices

Dinheiro ….

dinheiro.jpg

 

Eu devo ser das poucas pessoas do mundo civilizado que menos se interessa pelo dinheiro.

Eu sei que é um pouco contraditório ao que disse num dos posts mas é o que sinto. Atenção que também não me deu nenhuma epifania e vou andar a distribuir o meu ordenado.

 

Eu passo a explicar:

- Não dou dinheiro às pessoas como prenda

Se forem crianças, pergunto aos pais o que eles gostam/precisam e compro. Se forem adultos, penso no estilo e nos gostos e compro de acordo. Peço também talão oferta no caso de ser preciso trocar. E porque faço isto? Porque não gosto que me dêem dinheiro, isto só significa que a pessoa não se quis dar ao trabalho de procurar uma prenda.

 

- Não valorizo as coisas pelo valor monetário

Isto vem um pouco em consequência do ponto anterior. Este pode ser explicado através de uma conversa que tive:

Prima: Então o que deste ao teu homem no Natal?

Eu: um telefone antigo

Prima: Um telefone antigo? Só isso? O meu deu-me um tratamento capilar; nem imaginas o quanto custa.

Eu: Sim, provavelmente foi mais barato que o teu tratamento mas eu sabia que ele ia gostar.

A verdade é que ele adorou e não estava mesmo à espera.

(esta história devia ser ao contrário, não era?! Mas vocês perceberam a ideia)

 

- Considero-me uma boa gestora do meu dinheiro

Nunca comprei nada a prestações, a não ser a casa. E só porque é muito difícil juntar tanto dinheiro em pouco tempo.

Comprei o carro quando consegui juntar dinheiro suficiente para ele. Até, então, andava com um carro emprestado. E punha combustível do meu bolso e pagava inspecção, selo e manutenção porque era eu que andava com ele.

 

- Não me chateio por causa de dinheiro

Não ando atrás das pessoas que me devem dinheiro. Acho que as pessoas têm que ser íntegras o suficiente para saberem as dívidas tem que ser pagas.

Na hora de repartir heranças, já disse que “façam o que vocês quiserem, até podem ficar com o dinheiro”. Eu conto com o que tenho no presente, não conto com o que poderei vir a ter. Se vier sem chatices é um bónus, senão também não faz falta. Nunca vi esta coisa do “Eu tenho direito a…” acabar bem.

Prefiro estar bem com as pessoas do que estar bem com o dinheiro. Este acaba-se mais depressa.

 

- Quando a esmola é grande, o pobre desconfia

Quantas vezes já assisti, a súbitas preocupações por certas pessoas e vai-se a ver no final e era tudo interesse. Pelo quê? Pelo dinheiro.

 

- “Eu compro e depois dás-me o dinheiro”

Perdi a conta às vezes que já fiz isto. Quando não tenho a certeza do preço, prefiro comprar à minha custa e depois apresento a factura.

A mim, parece-me o que deve ser feito.

 

E, apesar de tudo isto, continuo a ser a má da fita. Ser correcto e bom, não compensa neste mundo.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Gosto disto

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D